Pin It

Emagrecer com sabedoria

Quer emagrecer? Então entenda como funciona o seu corpo

Entenda como funciona o seu corpo: Ate algum tempo atrás, a gordura corporal era apenas considerada um estoque de energia ainda não utilizada. Porem, com o tempo, a ciência entendeu que o tecido adiposo é um órgão ativo, que libera hormônios e que tem grande relação com a sensação de fome e saciedade. O que significa isso? Quanto mais tecido gorduroso você tem, maior será fome.

Quer emagrecer? Então entenda como funciona o seu corpo

Fome, paladar e saciedade.

O corpo avisa que tem fome ou sede através de processos autônomos, que independem da nossa vontade. O mesmo acontece com a saciedade.

Porem, como o ato de comer e beber pode ser prazeroso, graças ao paladar, muitas vezes ignoramos os avisos e comemos mesmo sem ter fome. Os dois hormônios que controlam a fome e a saciedade são a grelina e o PYY.

Eles atuam no núcleo arqueado do cérebro, através de dois circuitos de neurônios que exercem ações opostas. Um estimula o apetite e o outro a saciedade. Desta forma, quando o estômago esta vazio, ele, as células ípsilon do pâncreas e o hipotálamo produzem a grelina.

Este hormônio atua no celebro, que por sua vez, produz a sensação de fome. A medida que ingerimos alimentos, essa produção cai e o intestino passa a produzir o hormônio PYY, que avisa o celebro que estamos satisfeitos.

Entretanto, a ação destes hormônios criou certo mito. Muita gente imagina que obesos ou pessoas com sobrepeso a em pessoas normais ou magras, mas na verdade o que acontece é o inverso.  A produção de grelina costuma ser maior em magros, mas pessoas obesas são mais sensíveis a produção deste hormônio.

É preciso mastigar bem a comida e comer devagar, para dar tempo de nosso cérebro nos avisar que estamos satisfeitos.

Só que existe uma deficiência hormonal, sim. Um estudo recente descobriu que a produção de PYY é menor em obesos, o que pode alterar a sensação de saciedade.

Contudo, temos que lembrar que estes  processos fisiológicos levam algum tempo e que mesmo pessoas com níveis adequados dos dois hormônios precisam mastigar bem a comida e comer devagar para dar tempo para o cérebro avisa-las que estão satisfeitas.

Outros pronto importante e que a quantidade liberada destes hormônios pode ser alterada de acordo com o tipo de alimento ingerido. Por exemplo:

carboidratos como batata, massas, farinha branca e doces são absorvidos pelo intestino mais rapidamente que outros alimentos, como as carnes. Por isso, quando ingerimos refeições a base destes alimentos, temos a sensação que ficamos com fome novamente mais rápido.

>>As dietas que não funciona

Insulina e leptina

Contudo. Não é só a digestão e todo o seu complexo enzimático e hormonal que fica responsável pelo ganho ou perda de peso na verdade, a leptina e a insulina estão diretamente ligadas a estes processos.

A insulina, produzida por algumas células localizadas no pâncreas inibe o apetite em quanto o cérebro mantém sua sensibilidade a insulina. Comemos menos e perdemos peso. Quando engordamos, a sensibilidade a insulina cai e o apetite aumenta.

Já a leptina e responsável por ativar o centro da saciedade no celebro.  Produzida pelas células gordurosas, ela tem a função de informar o sistema nervoso sobre o estoque de gordura no nosso corpo. O processo acontece desta forma:

quando emagrecemos, as células gordurosas diminuem de tamanho, o que também diminui a produção deste hormônio induzindo o organismo a ter mais fome. Dessa forma, quanto mais tecidos gordurosos a pessoa tive, maior será a produção de leptina. Veja mais detalhe aqui

Por essa lógica, os obesos deveriam ter um apetite menor não é? Matematicamente, isso deveria acontecer, porém, ocorre o oposto. Nos obesos, existe um  “defeito molecular’’ que dificulta a ação do hormônio.



Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
x